Blog Pergunte às árvores

O digital não entenderia

O digital não entenderia O digital é uma representação do analógico. Temos uma falsa ideia de que o digital é uma evolução do analógico, é melhor que o analógico, quando na verdade cada um tem suas particularidades. Não é um tema novo em nosso blog, já falamos sobre ele no post “Analógico X Digital”, mas gostaria de retoma-lo, pensando de uma forma mais ampla do que apenas o som, e em nosso contexto de pesquisa

Experimentos em comunicação transdirecional entre o visível e o invisível – Congresso UFBA 2021

Experimentos em comunicação transdirecional entre o visível e o invisível – Congresso UFBA 2021 Nossa comunicação é fruto de pesquisa PIBIC em andamento, que por sua vez retoma pesquisas da Profa. Dra. Paola Barreto (Dr. Fantasma) e propõe a criação de uma paisagem sonora. Nossa pesquisa se chama pergunte as árvores, onde a pergunta tem a intenção muito mais de ouvir. A pesquisa caminha para conhecermos com quem estamos conversando, o licuri, o dendê …,

Tem alguém aí?

Tem alguém aí? Na linguagem, temos as funções fáticas, elas são táticas para puxar a conversa, táticas de “ligar” a conversa, são expressões como: – Alô – Olá – Bom dia! Nossa pesquisa em si é uma função fática. Podemos pensar no ato de conectar os fios, os chips e envolver o sistema e as bobinas nas arvores como o primeiro contato fático, de dizer “oi” quem está aí? Esse chamar para a conversa é

As fantasmagóricas ações à distância, e a Arte

As fantasmagóricas ações à distância, e a Arte Como é misterioso o sistema que vivemos. Nossa pesquisa bebe muito das fontes da física e da matemática, para experimentar sentimentos em forma de arte. Tratei brevemente no post anterior deste blog, sobre o emaranhamento quântico, e de como a arte e outros campos do conhecimento se misturam em uma relação simbiótica, e gostaria neste post de explorar um pouco mais essa ideia. Esta relação não é

Conversa com o Dendê

Conversa com o Dendê Uma conversa com a cineasta Beth Formaggini sobre o Dendê de Mestre Didi. Sobre árvores, tempo espiralar, proteção ancestral, luta contra a morte e conexão com a natureza.   Últimos Posts Tem alguém aí? 17 de fevereiro de 2021 Tem alguém aí? Na linguagem, temos as funções fáticas, elas… Leia Mais As fantasmagóricas ações à distância, e a Arte 6 de fevereiro de 2021 As fantasmagóricas ações à distância, e a

O outro sou eu

O outro sou eu Nossa pesquisa se chama pergunte as árvores, onde a pergunta tem a intenção muito mais de ouvir. A pesquisa caminha para conhecermos com quem estamos conversando, o licuri, o dendê … mas gostaria de brevemente pensar o que é esse diálogo de um ponto de vista meta-fisico, físico, poético, técnico, e tudo mais que possa ser, como sempre esse texto faz parte de um diário de bordo, que visa compartilhar pensamentos

Diário de Bordo 2020

2020. 2020 foi um ano de diversas lutas e desafios para todos, e para nossa pesquisa não foi diferente, mas apesar de todas as adversidades buscamos, e encontramos caminhos para continuar nossa pesquisa, nem sempre como gostaríamos, porém lutamos com as ferramentas que tínhamos ou criamos ferramentas novas. Foi um ano de conversas digitais, mesas digitais, exposições digitais, e a palavra de ordem era distância física e nossa pesquisa pensava uma aproximação, um sentir. Neste

Conversa com Ouricouri

Conversa com Ouricouri Com grande entusiasmo participamos do laboratório aberto HiperOrgânicos 9, compartilhando os resultados parciais da pesquisa “Pergunte às Palmeiras”. Trouxemos a “Conversa com Ouricouri”, performance-ritual tecnoxamânico realizado com a colaboração do André Tingui Botó, bolsista do Balaio no projeto Assombrações Pandêmicas. Seguimos na balbúrdia, em breve um ensaio sobre a experiência será oportunamente publicado.   Últimas Notícias Conversa com Ouricouri 17 de dezembro de 2020 Conversa com Ouricouri Com grande entusiasmo participamos do

O Dendê de Didi

O dendê de Didi Curta metragem de Beth Formaggini  O filme da realizadora carioca é uma pequena pérola, nascida a partir de uma conversa, em verdade um áudio, onde ela conta, em detalhes, como um muda dessa palmeira veio crescer no pátio de sua casa. Encontrei Beth na Bahia em Novembro de 2019, quando tive o prazer de mediar o debate de seu filme Pastor Claudio no Museu de Arte da Bahia. Passamos uma tarde

Analógico X Digital

Analógico X Digital Logo no início da nossa pesquisa, constatamos que para atender de forma mais plena a nossa poética, era necessário desenvolver sistemas que processassem o som de forma analógica, fazendo assim com que o som que ouvimos fosse mais completo, já que o som analógico é tecnicamente infinito enquanto o som digital está fadado a ser limitado, mesmo que com intervalos cada vez menores. E assim fizemos, fugimos do processamento digital do som

Arte Tecnologia e Educação, part. 1

As escolas não deveriam ser o que se tornaram hoje, estacionamento ou depósitos de crianças, um lugar relativamente seguro onde posso deixar meu filho para que eu possa trabalhar, ou apenas um preparatório para a faculdade. A escola poderia e deveria ser um lugar magico onde se desperta mentes para o futuro, e não um espaço que se parece com um preparatório para prisões e fabricas, em suas grades, segregação de etapas de montagem e horários definidos.

Mapa Mental

Mapa Mental No dia 26 de agosto de 2020 nós do Grupo de pesquisa Balaio Fantasma, fizemos uma reunião e tivemos a participação do nosso novo integrante, André que está tocando junto com a professora Paola uma pesquisa sobre as violências sistemáticas produzidas contra povos indígenas do Brasil durante a pandemia do novo coronavírus, chamada Assombrações Pandêmicas. Click aqui para a Página da pesquisa Assombrações Pandêmicas e aqui para o Blog da pesquisa Nessa reunião